logo
29.04.2019 · Eventos
Seminário da Câmara debate Práticas Integrativas e Complementares na Saúde
img_4444

A Câmara Municipal de Campo Grande sediou, nesta segunda-feira (29), a I Conferência Sul-mato-grossense sobre Práticas Integrativas e Complementares na Saúde – Uma Visão de Gestão, com a presença de um dos principais especialistas no assunto, Dr. Ricardo Monezi. O evento foi articulado junto à Mesa Diretora por meio do vereador Dr. Lívio (PSDB), que é presidente da Comissão de Saúde da Câmara.

“Devemos pensar na gestão do ser humano, a gestão de cada um de nós. Estamos no momento de um movimento sem retorno, pois é uma demanda da população. Não somos inimigos da medicina convencional. Queremos integralidade. Qualquer pessoa minimamente séria que trabalha com as práticas nunca vai deixar de falar ao seu atendido, ao seu paciente, para largar o remédio. Queremos muito mais do que a soma. Queremos a multiplicação dos esforços”, afirmou o especialista.

Em 2006, o Ministério da Saúde reconheceu a importância de atividades que auxiliam ou mesmo atuam como complemento em tratamentos de saúde por meio da Política Nacional de Práticas Integrativas do SUS. O tratamento clínico e medicamentoso passou a ser auxiliado por atividades terapêuticas, reduzindo o uso de medicamentos alopáticos, e promovendo melhores resultados no complemento a tratamentos de saúde.

No primeiro momento foram reconhecidas 19 atividades terapêuticas e, em agosto de 2018, o Ministério da Saúde reconheceu mais 10 práticas que passaram a incluir a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares, sendo atualmente reconhecidas 29 diferentes atividades. São elas: Apiterapia, Aromaterapia, Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Bioenergética, Constelação familiar, Cromoterapia, Dança circular, Geoterapia, Hipnoterapia, Homeopatia, Imposição de mãos, Medicina antroposófica/antroposofia aplicada à saúde, Medicina Tradicional Chinesa – acupuntura, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Ozonioterapia, Plantas medicinais – fitoterapia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa, Terapia de florais, Termalismo social/crenoterapia e Yoga.

“Queremos uma pessoa que seja enxergada na sua totalidade, levando em conta suas questões fisiológicas, psicológicas e sociais. Quando passamos a ser complementares, passamos a somar esforços. Quando passamos a ser integrativos, multiplicamos as potências para produzir saúde de verdade. Não a simples ausência de doença, mas, sobretudo, equilíbrio. Colocar o ser humano no seu devido lugar através de práticas milenares”, complementou.

Segundo o vereador Dr. Lívio, as práticas integrativas raramente são disponibilizadas aos usuários do SUS. E os benefícios que elas podem proporcionar, segundo ele, são inquestionáveis. “Podem contribuir muito no tratamento, na fase clínica, reduzindo o uso de medicação, dentre outros benefícios”, disse o vereador.

“Esse é mais um passo no intuito dessa discussão, de como implementar práticas integrativas que possam trazer, acima de tudo, o bem estar do ser humano. Propusemos esse pequeno fórum diretamente para os gestores, aqueles que se interessarem e querem ver o avanço dessas práticas na recuperação da saúde da nossa população”, completou o vereador.

O palestrante - Ricardo Monezi Julião de Oliveira é pós-doutor em Saúde Coletiva pelo Departamento de Medicina Preventiva, doutor em Ciências pela Unifesp e mestre em Ciências pela FMUSP. É ainda coordenador de pesquisas da Unidade de Pediatria Integrativa (IER- HCFMUPS), docente da PUC-SP, dentre outras atribuições nas áreas de docência e de pesquisa, a destacar a experiência em Neurociências e Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS).

O objetivo da Conferência foi oferecer aos Gestores da Saúde uma visão do passado, do presente e do futuro das práticas integrativas e complementares no Brasil e no mundo, possibilitando tomadas de decisão embasadas e bem conduzidas na implantação das mesmas. 

Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal
Com informações da assessoria de imprensa do Vereador

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.