logo
17.08.2020 · Outras Notícias
Pedro supera obstáculos, relata conquistas com 1º emprego na Câmara e dá lições de acessibilidade
pedroka

Dignidade, cidadania, independência financeira, possibilidade de contribuir em casa e com seu tratamento. Foram os ganhos destacados pelo jornalista Pedro de Moraes Martinez, 32 anos, desde que iniciou em seu primeiro emprego, na Câmara de Vereadores de Campo Grande. Ele tem uma doença degenerativa, a Distrofia Muscular de Duchenne, que resulta em fraqueza muscular. É cadeirante desde a infância. As evoluções que vivenciou na Casa de Leis foram além de sua vida pessoal. Nestes quatro anos, acompanhou a transformação do local, o que garantiu mais acessibilidade para ele e para as demais pessoas que visitam o prédio. 

Recentemente, Pedro contou sua história, suas conquistas e desafios ao projeto Internacional Social Duchenne, que compartilha informações e histórias de pessoas com a distrofia muscular de Duchenne. No relato, complementado em entrevista à Câmara, Pedro relata que ao insistir em enfrentar os obstáculos, acaba “mostrando uma realidade nova às pessoas”. E, desta forma, com sua ousadia e persistência, Pedroka, como é conhecido pelos amigos, ajuda a transformar os ambientes por onde passa. A entrevista completa ao projeto pode ser acessada clicando aqui.  

Inicialmente, Pedro queria fazer faculdade de Música, pois já gostava de compor e gravar com alguns amigos que tocavam violão. Chegou a fazer aulas de teclado e algumas apresentações. "Mas acabei entendendo que, com a evolução dos sintomas da minha doença, num futuro próximo a música seria profissionalmente inviável. Então, optei por usar meu talento com a escrita no Jornalismo. Foi a melhor decisão!”, disse. 

Pedro superou as dificuldades no curso, conseguiu concluir todas as disciplinas e passou, então, a enfrentar uma longa busca para conseguir uma colocação no mercado de trabalho. “Os prédios das rádios e redações não estavam preparados para me receber. Outra dificuldade é que a oferta de vagas para pessoas com deficiência ainda não contempla profissionais com qualificação técnica e superior. Você não vê vagas para advogados, professores, gerentes, contadores, ou jornalistas com deficiência”, relatou.

Foram oito anos até conseguir o trabalho na Câmara Municipal, atuando como jornalista, onde iniciou em 2017. “Trabalhar, e na minha qualificação, é importante. Faz parte da dignidade de todas as pessoas, dá independência financeira. No meu caso, é um importante suporte para manter meu tratamento e medicação que são bem dispendiosos. Enfim, é uma grande conquista!”, afirmou. 

Ele ainda mantém outras atividades. Já publicou 2 livros de poesias – Reviravolta Sentimental e A Vida com Elas -  e está terminando o terceiro. O primeiro livro teve a edição esgotada. O segundo, ainda restam alguns exemplares, que ele disponibiliza gratuitamente aos interessados. “Cada um reflete uma fase da minha vida”, disse. 

Outra paixão são os filmes e séries. Há mais ou menos 2 anos, recebeu um convite para ser colunista colaborador de um site de notícias aqui de Campo Grande, onde conquistou vários leitores. No início deste ano, esse periódico encerrou todas as colunas, ficando apenas com o noticiário. Pedro investiu num blog, mas logo surgiu outro convite, desta vez pela Folha de Campo Grande, que tem a versão impressa – distribuída aos domingos – e a versão online. Então, atualmente, a coluna “Na Poltrona do Cinema com Pedroka” traz dicas duas vezes por semana: às quarta e aos domingos.

Motivação

Pedro ressalta a importância de contar sua história para motivar outros jovens, pois a doença não tem cura, mas tem tratamento capaz de melhorar a qualidade de vida dos pacientes. “Infelizmente, há pouca informação e, no Brasil, ainda temos uma triste estatística na qual 75% dos meninos afetados vai a óbito antes dos 20 anos. Eu vou completar 33 anos! Então, minha história e minhas conquistas podem ser inspiração para muitas famílias, no sentido de que com o diagnóstico e a intervenção precoce é possível ter uma vida plena, com convívio social, estudo, trabalho, enfim, tornar-se uma pessoa produtiva e participativa”, relatou.

Pedro sempre teve apoio e incentivo da família para manter uma vida social ativa. Os amigos já conhecem a rotina de Pedro e estão disponíveis para ajudá-lo a tomar medicamentos ou comer. “Não posso modificar minha doença, mas posso decidir como lidar com ela. Há vida depois do diagnóstico”.   

Mudanças 

Ele sempre frequentou bares, shows, festas, cinemas, e foi em busca de sua colocação no mercado de trabalho. “Com relação à acessibilidade, no começo também encontrei dificuldades aqui na Câmara, mas uma coisa que minha experiência de vida me ensinou é que se a gente enfrenta os obstáculos, insiste e se mostra, as pessoas acabam despertando para uma realidade que não conhecem e até se incomodam e procuram mudar essa situação. Isso acontecia na cidade como um todo: quando eu ia em cinemas, em shows, bares, enfim, minha presença constante, superando as dificuldades, fazia com que as coisas fossem mudando aos poucos. Na Câmara não foi diferente. Logo foram vindo as reformas, que acabaram favorecendo não só a mim, mas a toda população de Campo Grande, com alguma dificuldade de locomoção – permanente ou temporária – a frequentarem esse espaço que é de todos!”.

Há quatro anos, quando começou a trabalhar na Câmara, ele recorda acessibilidade era precária. “Eu tive que me adaptar ao ambiente, quando o correto deveria ser o oposto! Com o tempo, percebi que minha presença fazia as pessoas refletirem, se envergonharem e se incomodarem com as minhas dificuldades e acabaram promovendo reformas, que atenderam não só a mim, mas a toda população”, ressaltou. 

Acessibilidade 

A reforma do prédio da Câmara, localizado na Avenida Ricardo Brandão, Bairro Jatiuka Park, foi concluída no ano passado, e teve como um dos focos melhorar a acessibilidade. As duas entradas – pelo Plenário Oliva Enciso ou na recepção para acesso aos gabinetes – passaram a contar com rampas. A calçada também foi adaptada, com piso tátil e rebaixamento das guias para acesso aos cadeirantes. 

Todos os gabinetes de vereadores passaram a funcionar no térreo, o que facilita o acesso à população. Antes, alguns ficavam no primeiro andar. Um elevador foi instalado para acesso ao andar superior, onde funcionam setores administrativos, a exemplo do Recursos Humanos e Apoio Legislativo. O Plenário Oliva Enciso também passou por adaptações, com rampas e poltronas para obesos. A Casa de Leis também conta com banheiros adaptados para deficientes.  

Além da questão da infraestrutura, a Câmara também conta com novas ferramentas de acessibilidade. A Casa de leis passou a contar com intérprete de libras, nomeada em 2018, com aprovação em concurso público. O site da Câmara conta com o sistema Audima, que possibilita a transformação do texto em áudio, para auxiliar os deficientes visuais. Desde o mês passado, as imagens usadas passaram a ser descritas no site e nas redes sociais. 

#PraCegoVer – Fotografia. Pedro sentado em frente a um computador. Ele tem cabelos pretos curtos, usa óculos e veste uma camiseta vermelha. Ao fundo, há uma estante com livros. Fim da Descrição. 

 

Milena Crestani 

Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

 

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.