logo
04.03.2016 · Vereador Eduardo Romero
Para defender lei de isenção do IPTU, OAB vai pedir na Justiça ingresso no processo
f3ebd0fadd785fe040c87e4821188d07

Está em análise na Justiça uma Ação de Inconstitucionalidade (Adin) proposta pelo prefeito de Campo Grande contra a lei já publicada em Diário Oficial que dispõe sobre a isenção de IPTU para imóveis atingidos por enchentes e alagamentos. A proposta foi apresentada pelo vereador Eduardo Romero (Rede Sustentabilidade) com aparato jurídico da OAB-MS, que foi parte componente na elaboração do projeto aprovado por unanimidade pelos vereadores da Capital.
 
Nesta semana o vereador Eduardo Romero esteve com o presidente da OAB-MS, Mansour Elias Karmouche, com o presidente da Comissão de Meio Ambiente, Arlindo Murilo Muniz e com o advogado Pedro Putin, que na época fez parte da elaboração do texto como integrante da OAB-MS. Todos demonstraram interesse em continuar na defesa da validade da lei, uma vez que beneficia a população e também porque o teor da lei está dentro da constitucionalidade.

 A partir da próxima semana a OAB-MS deve entrar com petição no Tribunal de Justiça solicitando para fazer parte do processo como parte interessada. A partir do pedido a Justiça concorda ou não se aceita o ingresso da Ordem no processo. Como entidade constituída tem prerrogativa constitucional de intervir, ou seja, um das partes legitimadas no processo para acompanhamento.
 
O presidente da OAB-MS, Mansour Karmouche destacou que a entidade é favorável à lei que dá isenção de IPTU em todos os seus artigos.

Eduardo Romero explica que a Procuradoria do Município entrou com a ação contra o texto da lei alegando duas situações. A primeira é que no entendimento dela somente o executivo pode abrir mão de receita por meio de isenções, mas o vereador destaca que em alguns casos o legislativo tem esta prerrogativa. A segunda alegação do município é que o proponente da lei não apresentou estudo de impacto financeiro, o que é rotulado pelo parlamentar como impossível, uma vez que catástrofes ambientais são imprevisíveis e não há como saber quantos imóveis serão alagados a cada chuva.
 
Mais apoio
 
Moradores e associação de moradores que sabem da existência da lei e da batalha jurídica instalada estão procurando o gabinete do vereador para ter acesso ao teor da lei. Ao menos três associações já mostraram interesse em somar forças para que a Justiça tenha o entendimento de que se o poder público não tem interesse ou não tem aporte para resolver problemas que ocasionam enchentes, que ao menos minimize dando isenções, no caso de IPTU.
 
A Lei
 
A lei Complementar ao Código Tributário do Município dispõe sobre isenção ou remissão do IPTU e taxas incidentes sobre imóveis edificados e terrenos atingidos por enchentes, inundações e/ou alagamentos causados pelas chuvas ocorridas na Capital.
 
Eduardo Romero ressalta que o cálculo do IPTU leva em conta além do valor venal, as benfeitorias promovidas pelo poder público como, por exemplo, iluminação, abastecimento de água. Já que o contribuinte paga o imposto também com base em obras realizadas pelo poder público, é justificável isenções quando tem prejuízos pela ineficiência deles, como propõe o projeto. Pelo texto, o benefício valerá para imóveis legalizados, construídos dentro dos parâmetros legais respeitando as normas existentes.
 
O vereador Eduardo Romero destaca que a iniciativa do projeto integra ação governamental mais ampla de auxílio aos cidadãos vitimados, facilitando a recuperação e a reconstituição dos bens atingidos. ‘Quando andamos pelos bairros visitando e colhendo sugestões das pessoas ouvimos muitas reclamações e uma delas é sobre pagarem o IPTU e não terem planos de contenção de enchentes, por exemplo’.

Assessoria de Imprensa do Vereador

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.