logo
13.05.2015 · Câmara Comunitária
Em Comunitária, moradores do Taveirópolis pedem iluminação, segurança e sinalização
b2b7feec43116a087aabeea3c438f0d5

Iluminação pública, segurança, limpeza e sinalização de trânsito, essas foram as principais reivindicações apresentadas por moradores e lideranças do Bairro Taveirópolis, durante a 10ª Sessão Comunitária realizada na manhã desta quarta-feira (13) na Escola Estadual “José Antônio Pereira”.

 

A Sessão Comunitária reuniu diversos moradores, líderes comunitários, alunos e professores, que lotaram a quadra de esportes da escola, que recebeu os trabalhos da Câmara Municipal pela primeira vez.

 

Ao usar a Tribuna Participativa, o presidente da Associação de Moradores do Bairro Oliveira I e II, Éder Carlos Oliveira lamentou a ausência de um representante do Executivo na Sessão Comunitária para dar uma resposta aos reclames da comunidade. “É uma pena que o Executivo nunca está presente, porque esperamos uma resposta do Executivo. Não concordo com o que o Executivo está fazendo com os professores, temos que dar valor a quem ensina e conceder um reajuste, equiparando ao piso nacional. Na cidade as obras estão paradas, os Projetos não tem continuidade”, disse.

 

Em seu pronunciamento, o presidente da Unimar, Francisco Mesquita solicitou diversas melhorias aos parlamentares, como limpeza do terreno da Associação de Moradores na Rua Vacaria, a conclusão das obras da UBS do Oliveira I e II. Término da Academia ao ar livre, que está só cimentado. O Ceinf do Oliveira e do Tijuca, cujas obras estão paradas. A Praça da Juventude, que recebeu verba federal do PAC 2. “Temos matagal em toda região do Lagoa, fizeram limpeza do na Avenida Lúdio Coelho e nas demais ruas nada. Precisamos da inauguração da UPA Leblon. Precisamos também de sinalização no Bairro Belo Horizonte e no entorno da Escola Estadual José Antonio Pereira. Além de iluminação pública aqui no Taveirópólis e desentupimento dos bueiros no bairro União”, disse Mesquita.

 

O presidente do Bloco Carnavalesco Macacos da Vila, Alessandro Lopes Moura também destacou o abandono da sede da Associação de Moradores do Bairro Taveirópolis que fica ao lado da Escola Estadual José Antonio Pereira, cujo mato alto toma conta do terreno. “Nossa Associação está abandonada, as telhas foram levadas. Em frente não tem luz. A noite é uma escuridão. Precisamos aumentar a potência das lâmpadas dos postes, porque são muito fracas”, afirmou.

 

A conselheira tutelar e moradora da região, Laís Berrocal fez um apelo aos vereadores por mais segurança para o bairro. “Nossa preocupação maior é a segurança do bairro. A iluminação pública aqui é precária. Já tivemos vários casos de violência sexual e assalto, com tiroteio em plena luz do dia. Essa escola não tem faixa de pedestre. A Escola Nova Geração tem toda sinalização e a escola pública não tem nada. Precisamos também do recapeamento das ruas, que estão com muitos buracos. Precisamos de uma sinalização decente”, destacou Laís.

 

O líder comunitário da Região do Lagoa, Alcides Guttemberg Alves Medeiros também alertou para a diferença de sinalização entre as escolas pública e particular no bairro. “Na escola particular fizeram a sinalização em todo o quadrante. Fomos falar com a Beth Felix e aqui na Escola Estadual José Antonio Pereira ela fez uma faixa de pedestre só. É preciso fazer sinalização em toda a região do Lagoa, do Taveirópolis ao Tarumã”, disse.

 

O aluno Thiago Fenelon, do 3º ano da Escola Estadual “José Antonio Pereira” afirmou que os alunos fizeram uma pesquisa entrevistando moradores e comerciantes, para conhecer as necessidades da comunidade. “O pedido maior foi iluminação pública, que está muito precária. Muitos alunos são assaltados na saída. No 1º bimestre 10 alunos pediram transferência porque foram assaltados. Não tem faixa de pedestre em frente a escola, nem sinalização. Precisamos da limpeza do terreno da Associação de Moradores, porque muitas pessoas usam o local para usar drogas e praticar sexo a luz do dia. Precisamos que sejam podadas as árvores de grande porte, porque toda semana tem um cabo de energia estourado”, disse.

 

A coordenadora e presidente do Colegiado Escolar, Rejane Dias Delmão, também falou sobre a perda de alunos por causa da falta de segurança. “Perdemos 10 alunos do noturno porque foram assaltados. Aqui é uma escuridão. Ficamos aqui com os alunos até o último pai vir buscar, porque é perigoso. Estou pedindo apoio e um carinho maior com a nossa escola”, clamou.

 

A diretora da escola, Cleide de Moraes Deduch também fez um apelo aos parlamentares quanto ao nome da rua da escola, que tem gerado transtornos. “Estou há 7 anos na direção dessa escola e peço aos vereadores que mudem o nome dessa rua da escola, porque tem duas ruas com o mesmo nome de Antonio Pinto, uma aqui e outra no Tiradentes. O nome dessa rua era Vacaria e esse é o nome que está no Google. Sempre temos concurso e Enem aqui isso causa confusão, É um transtorno. O melhor era voltar para o nome antigo. Sentimos muito o fato da Escola Nova Geração estar toda sinalizada e a nossa não”, disse.

 

Por fim, o professor Danilo Santos de Jesus parabenizou a iniciativa da Câmara Municipal de ir até os bairros e escolas e sugeriu aos parlamentares que uma base da Guarda Municipal fosse instalada no terreno da Associação de Moradores do Bairro Taveirópolis, como forma de coibir os casos de assalto aos alunos.

 

A sessão ordinária contou com a presença dos vereadores Carlão, Mario Cesar, Eduardo Romero, Dr. Loester, Coringa, Chiquinho Telles, Gilmar da Cruz, Francisco Luis Saci, Chocolate, Carla Stephanini, Luiza Ribeiro, Paulo Pedra, Ayrton Araújo do PT, Thais Helena, Airton Saraiva, José Chadid e Alex do PT.

 

As reivindicações e sugestões apresentadas pela comunidade durante a Sessão Comunitária serão transformadas em Indicações, Ofícios, Requerimentos e Projetos, a serem encaminhados à Prefeitura Municipal. As proposições serão apresentadas em nome dos 29 vereadores da Câmara Municipal.

 

Paulline Carrilho
Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.