logo
10.01.2019 · Vereador Veterinário Francisco
Defender Causa Animal não se resume a mutirão de castração de “gatos” e proibição de fogos em festas da prefeitura, explica o Veterinário Francisco
img_0313

O vereador Veterinário Francisco (PSB) explica que defender a causa animal não se resume a fazer mutirão de castração de gastos e proibição de fogos de artifícios em festas exclusivas da Prefeitura de Campo Grande. “A Causa Animal serviu para ganhar votos. Antigamente, os políticos posavam beijando crianças. Agora a moda e abraçar e beijar pets e dizer que é da causa animal, mas efetivamente não fazem nada a respeito só usam como plataforma política. Nas últimas eleições vimos deputados estaduais e federais que nunca nem falaram da causa animal virando defensores ferrenhos. Eu trabalho há 36 anos pela causa e posso dizer que conheço as necessidades que a população que ama animais sofrem sem o suporte do Poder Público”, explica o parlamentar.

Segundo o veterinário Francisco, as emendas para o orçamento de 2019 que foram vetadas seguiram os mesmos critérios técnicos das emendas feitas para o orçamento de 2018 que na época foram aprovadas pela Prefeitura de Campo Grande. Curiosamente, esse ano essas emendas foram vetadas. Lembrando que mesmo aprovadas às emendas no ano anterior, a Prefeitura não utilizou nenhum centavo. “Eu quero saber qual é o critério técnico da Prefeitura de Campo Grande que em um ano aprova e no outro não. Será que ano passado não teve critério e esse ano foram muito criteriosos. Os moldes técnicos foram os mesmos, a única diferença foi que aumentamos os valores,  por exemplo, na castração de felinos e caninos de 100 mil passou para 200 mil reais cada e  R$ 1 milhão para a implantação da UPA-VET. Lembrando que a causa animal não foi contemplada com nenhum valor das minhas emendas.  Em 2018, elas foram contempladas e aprovadas, mas o dinheiro que é bom e ajudaria a nossa população sumiu. Não foi usado”, argumenta o veterinário Francisco.

O parlamentar lembra que o único recurso destinado ao CCZ (Centro de Controle de Zoonose e Bem-Estar animal) em 2018 foi por meio de uma emenda de sua autoria que fazia parte do Fundo de Investimentos Sociais (FMIS) 2017 no valor de R$ 50 mil que foi executado em dezembro do ano passado.

Na ocasião foram compradas seis gaiolas, que cabem seis animais, equipamentos de tosa, aparelho bucal, medicação, 50 kits de castração para cadelas e gatas e laringoscópio, além de equipamentos que melhoram a realização de procedimentos.

 

Eduardo Penedo

Assessoria de Imprensa do Vereador 

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.