logo
17.09.2019 · Vereador Dr. Livio
Práticas alternativas complementares a medicina tem Núcleo lançado em Campo Grande
whatsapp_image_2019_09_16_at_10_08_01

Com o tempo aprendemos que a saúde é alterada pelo nosso estado emocional. O cotidiano, nossa aprendizagem e a forma como lidamos com uma doença física são totalmente reflexos de como estamos. De acordo com Ministério da Saúde, o Brasil é referência mundial na área de práticas integrativas e complementares na atenção básica que investe em prevenção e promoção à saúde. No dia 30 de setembro, acontece em Campo Grande o lançamento do Núcleo de Implementação Estratégica Para Práticas Integrativas e Complementares em Educação e Saúde de Mato Grosso do Sul (NIEPPICS-MS), no Living Lab, Rua Brasil, 205, Monte Castelo, às 19h. (Clicando aqui você tem acesso a todas as 29 práticas implementadas pelo Governo).

As PICS (Práticas Integrativas e Complementares) mais conhecidas são homeopatia, aromaterapia, meditação, musicoterapia, acupuntura, yoga, dança circular, arteterapia e Constelação Familiar. As metas estão alinhadas à Agenda de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A Agenda é da OMS (Organização Mundial da Saúde) e é composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos pelos países-membros até 2030. Para a diretora geral e comercial do Núcleo, Joseanne Roque, há 18 anos trabalhando na modalidade, é fundamental acionar os três pilares da integralidade do ser olhando o humano como um todo e fomentando dentro do lado corporativo a condição para que as práticas integrativas nos auxiliem focando no colaborador, no paciente e no acompanhante tanto na saúde quanto na educação.

“Nós, das práticas integrativas, partimos que muitas vezes uma doença tem fundo emocional. Olhamos como um todo mesmo. Até porque é como um todo. Fomentamos saúde assim - como preconiza a OMS - em todos os estágios da vida do ser humano, complementando as práticas médicas”, explicou. O núcleo tem apoio e fomento do vereador Dr. Lívio Leite que em abril deste ano foi responsável pela I Conferência Sul-mato-grossense sobre Práticas Integrativas e Complementares na Saúde - UMA VISÃO DE GESTÃO.

Lívio acredita que é importante buscar novas alternativas fora do tratamento medicamentoso.  “A meditação, a capoterapia, a massoterapita e a aromaterapia são algumas Práticas Integrativas Complementares com relatos de pacientes e médicos comprovando seus benefícios e há várias outras práticas que ajudam pessoas em situação de depressão, por exemplo”, reforçou.

PICS 

As PICS estão em 9.350 estabelecimentos de saúde no país ofertando 56% dos atendimentos individuais e coletivos, compondo 8.239 (19%) estabelecimentos na Atenção Básica, distribuídos em 3.173 municípios. Estão presentes em quase 54% dos municípios brasileiros, nos 27 estados, Distrito Federal e em todas as capitais.

Quem também é integrante da equipe do Núcleo de Implementação é o diretor de Ensino e Pesquisa, pós-doutor Ricardo Monezi. Ele é consultor e maior fomentador das práticas do Brasil há mais de 20 anos. Veja o currículo abaixo:

PhD. Ricardo Monezi

Pós-Doutorado em Saúde Coletiva pelo Departamento de Medicina Preventiva e Doutorado em Ciências pelo Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), onde leciona em cursos de pós-graduação lato-sensu (especialização). Mestrado em Ciências (Fisiopatologia Experimental) pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Coordenador das áreas de pesquisa e ensino da Unidade de Pediatria Integrativa (UPI) do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (ICR-HCFMUSP). Docente concursado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), onde leciona as disciplinas de "Bases Fisiológicas do Comportamento" e "Neurologia" para o curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde (FACHS), e é pesquisador do grupo "Interfaces psicobiológicas do desenvolvimento humano". Docente permanente dos cursos de Pós Graduação Lato Sensu do Hospital Alemão Oswaldo Cruz - Faculdade de Educação em Ciências da Saúde (FECS). Tem experiência nas áreas de docência e pesquisa em Morfologia, Fisiopatologia, Fisiologia do Comportamento (com ênfase em Psiconeuroimunoendocrinologia), Neurociências e Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS).

 

Rafael Belo

Assessoria de Imprensa do Vereador Dr. Lívio

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.