logo
31.10.2018 · Audiência Pública
Em Audiência sobre câncer de mama, vereadores cobram celeridade para exames e tratamento
img_2080

A Câmara de Vereadores sediou, nesta quarta-feira, a Audiência Pública com o tema “O câncer de mama e as ações de prevenção e tratamento”, com a cobrança de mais celeridade no resultados dos exames de mamografia, no início do tratamento em caso de confirmação da doença e fortalecimento das ações de conscientização. O evento ocorre justamente no último dia do mês, para reforçar a ideia de que as ações de prevenção sejam mantidas ao longo do ano e não somente durante a campanha do Outubro Rosa. 

O debate foi convocado pela vereadora Dharleng Campos. "Temos já no calendário oficial o Outubro Rosa, enfatizando a necessidade de cuidarmos das mulheres. Mas, temos que manter esse mesmo trabalho e acompanhamento o ano todo", destacou a vereadora. Durante a Audiência, ela cobrou melhorias no atendimento na rede pública de saúde, como acesso ao tratamento e aos exames, e comprometeu-se a encaminhar as reivindicações às secretarias Estadual e Municipal de Saúde, dando o retorno à população. 

"Temos de encontrar estratégias para diminuir o tempo de espera. Reforçamos na campanha a importância do autoexame, mas as mulheres chegam no posto de saúde e enfrentam demora para marcar consulta, demora no exame e quando sai o resultado, se acontecer de constatar câncer de mama, ficará mais difícil de ser tratado e curado", destacou. 

Sueli Gomes, do  Bairro Arnaldo Estevão Figueiredo, acompanha um grupo de 80 mulheres da região e reclamou dessa espera. "Demora até quatro meses para sair o resultado. Isso é muito difícil. Precisa diminuir essa espera", cobrou. 

O vereador Dr. Loester enfatizou que o autoexame é importante, mas quando o nódulo é constatado pode ser tarde para eficácia do tratamento no caso do diagnóstico de câncer. Por isso, a mamografia é fundamental. "É importante principalmente para alguém da família que já teve câncer de mama,. Tem que ser rastreado antes dos 40 anos. Tem que ter rotina do exame. Tem que ser obrigação e fazer parte da conduta dos médicos nas unidades". 

A vereadora Enfermeira Cida reforçou que a prevenção não ocorre somente em outubro. "Deve ser todos os dias, quando levantamos vivas e nos cuidamos e das pessoas próximas a nós". O vereador Betinho também esteve presente e reforçou a conscientização constante e a cobrança por melhorias na assistência às pacientes.   

Providências 

A enfermeira Indianara Alexandre, gerente técnica da Saúde da Mulher, falou representando a Secretaria Municipal de Saúde sobre as problemáticas apresentadas na Audiência. Ela justificou que são seguidas as diretrizes e normativas do Ministério da Saúde para que toda a saúde da mulher seja avaliada na consulta, inclusive o histórico de doenças na família. 

Sabe-se, porém, que a incidência de câncer de mama atinge mais as mulheres acima de 40 anos a 69 anos. Hoje existe a mamografia de diagnóstico, quando algo no corpo indica que pode haver algum problema, a exemplo de um nódulo. Há ainda a mamografia de rastreamento, quando a mulher não tem doença nenhuma, não sente nada, não tem ninguém na família com câncer de mama e, mesmo assim, deseja fazer o exame. 

"As mulheres abaixo dos 40 anos não ficam desassistidas. Acontece essa investigação, é feita a ultrassonografia e a mamografia é complementar. Há etapas a serem seguidas", afirmou. Indianara apresentou que o tempo para exame chega a 40 dias, em média, mas a Sesau iniciou trabalho para cumprir a lei federal que estabelece 60 dias para início do tratamento. "A equipe de vigilância já entra em contato com essa mulher para garantirmos índice de cura maior", afirmou. 

Segunda a gerente técnica, Mato Grosso do Sul é o quarto estado do País com mais casos de câncer de mama e, por isso, é preciso que as mulheres previnam-se e tenham uma vida saudável, eliminando o tabagismo, bebida alcoólica e a obesidade. 

Ainda durante a Audiência, Mirella Ballatori Tosta, presidente da  Associação das Mulheres com Deficiência de Campo Grande, falou representando o Conselho Municipal de Saúde, e reforçou a importância da acessibilidade nos postos de saúde. "A gente precisa de acessibilidade plena e irrestrita. É uma luta árdua e contínua", disse.  

Cilene Maria Elesbão, da Federação Estadual das Ex-alunas e Ex-alunos das Filhas de Maria Auxiliadora, falou do voluntariado nessa causa das mulheres com câncer de mama. "Tivemos companheiras, amigas que passaram por esse problema. O apoio e sofrimento é igual; devemos nos mobilizar. O câncer não tem idade, não tem momento. Ele vem e não estamos preparadas", lembrou, agradecendo o apoio e o debate proposto pela vereadora Dharleng Campos. 

Serviço 

Flavia Mateus Miranda, representando o Hospital do Amor, filial do Hospital do Câncer de Barretos, reforçou a importância da prevenção constante e destacou que estão de portas abertas para exames, não necessitando de encaminhamento do médico, apenas de agendamento prévio. "Quando chega outubro, ficamos com a agenda cheia, mas o mamógrafo tem uma capacidade de atendimento diário. Por isso, trabalhamos com agendamento", explicou. No último mês, inclusive, foram feitos mutirões aos sábados. 

O Hospital de Amor fica na Avenida Thyrson de Almeida, 3103, no Aero Rancho.O telefone é 3304-6600

 

Milena Crestani 

Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal 

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.