logo
11.12.2017 · CPI
CPI do Táxi entra na fase final e ouve mais duas testemunhas
img_6060_oitiva_cpi_do_taxi_fto_izaias_medeiros

Mais duas testemunhas foram ouvidas, nesta segunda-feira (11), durante a sexta oitiva da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Táxi, instaurada na Câmara Municipal para apurar irregularidades na concessão de alvarás de táxi e mototáxi em Campo Grande. Outros permissionários haviam sido notificados a depor e, como não compareceram, a Comissão vai acionar o MPE (Ministério Público Estadual) para que sejam responsabilizados por desobediência.

Primeiro a ser ouvido, Salvador Souza Sandim relatou que dirige o próprio carro desde 1990, após processo licitatório feito ainda na administração do ex-prefeito Lúdio Martins Coelho. Proprietário do alvará n. 386, ele trabalha no ponto 49 e negou que a concentração de alvarás em nome da família Sandim seja fruto de irregularidades. 

"Os Sandim são todos parentes em Campo Grande. Consegui o alvará por concurso, fomos chamados, e foi tudo muito claro, com muita luta. Eu já trabalhava há 15 anos como auxiliar", sustentou. 

Diversos membros da família Sandim foram intimados, porém, não compareceram. Antônio João Barbosa Sandim, dono do alvará 361, trabalha no ponto 46, que, curiosamente, abriga outros seis permissionários com o mesmo sobrenome. Ele não vê problemas na coincidência. 

"Trabalho lá desde os anos 90, por concurso. É meu ganha-pão no dia a dia. Ficamos por seis anos com apenas dois taxistas no ponto e, seis anos depois, chegaram mais dois. Alguns deles foram pra lá por uma troca que a Prefeitura fez para alocar quem morava perto dos pontos para ficar mais próximo", disse. 

O relator da CPI, vereador Odilon de Oliveira, afirmou que é, no mínimo, "curioso" o fato de o permissionário não conhecer sequer os colegas de ponto, ainda mais com o mesmo sobrenome. "A grande concentração de alvarás no mesmo sobrenome é uma coisa que levanta curiosidade. O relatório já está quase pronto, mas precisávamos dessa oitiva para sanar essas dúvidas", afirmou.

Segundo o vereador Vinicius Siqueira, presidente da CPI, caso os convocados não compareçam a oitiva de sexta-feira, o colegiado poderá utilizar a condução coercitiva para colher os depoimentos.  

Junior Longo (PSDB), Veterinário Francisco (PSB) e Pastor Jeremias Flores (PT do B) são os outros membros da comissão.

Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.