logo
19.05.2017 · Vereador Veterinário Francisco
Vereador Francisco defende registro de pet shop junto ao CRMV

A decisão da 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, de desobrigar as lojas que vendem animais vivos e medicamentos veterinários da não obrigatoriedade do registro junto ao Conselho Regional de Medicina, está sendo questionada pelo vereador veterinário Francisco Gonçalves de Carvalho (PSB).

Formado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul há 38 anos, declarou que ainda não conseguiu entender porque é que “não estão sujeitas a registro perante o respectivo Conselho Regional de Medicina Veterinária nem à contratação de profissionais nele inscritos como responsáveis técnicos as pessoas jurídicas que exploram as atividades de comercialização de animais e venda de medicamentos sob alegação de que não são atividades reservadas à atuação privativa do médico veterinário”.

Para o vereador veterinário Francisco, “o registro é uma forma de proteção para a saúde pública, o meio ambiente e o controle permanente das zoonoses”. Entende que somente a fiscalização da vigilância sanitária não seria suficiente para avaliar as reais condições do animal exposto a venda, acrescentando ser esta uma atribuição do profissional médico-veterinário.

Campo Grande, com uma população de 162 mil animais (entre cães e gatos), é uma cidade cuja atuação do profissional veterinário é de extrema importância. “Um estabelecimento (pet shop) sem registro junto ao CRMVMS certamente que seria motivo de preocupação”, salientou o vereador veterinário Francisco. 

Assessoria de Imprensa do Vereador