logo
18.04.2017 · Reunião
Em nova reunião, taxistas e mototaxistas querem igualdade para concorrer com aplicativos

Representantes dos taxistas e mototaxistas de Campo Grande voltaram a reclamar do que classificam como concorrência desleal praticada pelos aplicativos de transporte privado de passageiros. Em reunião na Câmara Municipal, esta tarde, os trabalhadores cobraram igualdade para poder concorrer e querem a limitação do número de motoristas que atuam na Capital.

“O diálogo não pode ser desvirtuado. Sempre trabalhamos em prol da população, e não há como concorrer se não existe uma quantidade definida”, afirmou Bernardo Barrios, presidente do Sindicato dos Taxistas de Campo Grande. “Então, que não se limite os táxis. Nos deem autonomia para estacionar onde quisermos. Queremos existir com as regras da municipalidade, mas é impossível se qualquer outro aplicativo não seguir essas mesmas regras”, completou.

O presidente do Sindicato dos Mototaxistas de Campo Grande, Dorvair Boaventura, o Caburé, endossou a opinião do colega. “A discussão não está a contento da classe. Temos que discutir e resolver de maneira que atenda a todos os lados. Gostaríamos de concorrer entre nós, obviamente, mas se temos que suportar a vinda dos aplicativos, então que haja justiça”, cobrou.

Desde a edição do Decreto 13.099/16, que impôs regras aos motoristas do Uber, a Câmara trouxe para o Plenário o debate acerca dos aplicativos. Desde então, representantes das categorias utilizaram a Tribuna para defender seus interesses. Uma grande audiência pública também foi realizada no mês de março.

Um ponto central do debate foi a flexibilização das leis que regulam os taxistas e mototaxistas. Os motoristas sequer podem oferecer descontos aos clientes, já que a legislação vigente ‘engessa’ o trabalho de quem ganha a vida atrás do volante. Além disso, há uma defasagem de táxis na Capital, que conta com apenas um carro para cada grupo de 1.763 habitantes, enquanto a média nacional é de um veículo para 667 moradores.

Sem sustento – A reunião desta terça-feira, realizada no Plenário Oliva Enciso, também deu voz aos profissionais que atuam nas ruas. Eles reclamaram, principalmente, da queda no número de corridas e do número ilimitado de motoristas do Uber nas ruas. 

“Hoje, o serviço de táxi está inviável. O movimento caiu 70%, fazemos de três a quatro corridas por dia. Não conseguimos mais sustentar nossa família. Precisamos de um estudo de impacto sobre a liberação dos novos alvarás, para que não inviabilize todos. Muitos profissionais que já têm emprego estão fazendo serviço de Uber nas horas vagas”, denunciou.

“Nada prospera onde não há regras. O aplicativo não respeita nosso direito. Eles param nos pontos, chamam os passageiros. Não podemos deixar que um aplicativo aventureiro venha desestruturar uma categoria laboriosa como a nossa. Não somos vilões, mas as vítimas”, reclamou Orlando Espínola, coordenador do ponto de táxi do Terminal Rodoviário de Campo Grande.

“Não estamos conseguindo manter nosso veículo como deveria ser. Não estamos ganhando suficiente. Isso é real. Se fala em igualdade, mas qual é essa igualdade? Se hoje nos deparamos o tempo todo até mesmo com carros de duas portas, o que não é permitido. Hoje nos deparamos com carros velhos transportando passageiros. Limitação de veículos: precisamos de igualdade para garantir nossa sobrevivência”, pediu a taxista Eliney Evian Marçal da Silva.

O vereador Valdir Gomes, um dos proponentes da reunião, defendeu os taxistas e mototaxistas da Capital. “Com urgência, deve haver fiscalização na rodoviária e no aeroporto para que os taxistas possam trabalhar com tranquilidade. Precisamos ter esse diálogo. Vamos levar ao prefeito Marcos Trad a preocupação de vocês. Temos que agir com seriedade e a Câmara não vai se omitir. Os vereadores estão sensíveis a causa”, garantiu.

Também participaram da reunião os vereadores Cazuza, Carlão, Chiquinho Telles, Eduardo Romero, Pastor Jeremias, Veterinário Francisco, Ademir Santana, Lucas de Lima, Delegado Wellington, Enfermeira Cida e Dharleng Campos.

Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

Acessibilidade com Libras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Campo Grande pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras. Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.